Ficha de Casa Religiosa
    
Designação
Convento de Nossa Senhora do Rosário

Código
LxConv107

Outras designações
Convento de Nossa Senhora da Rosa; Convento do Rosário; Convento da Rosa; Mosteiro de Santa Maria da Rosa

Morada actual
Largo da Rosa, 6-7 Calçada da Rosa, Escadinhas Costa do Castelo, Rua da Costa do Castelo Rua das Farinhas

Sumário
O Convento da Rosa, fundado por D. Joana de Sousa e Luís de Brito Nogueira, começou a ser construído em 1519 na encosta poente do castelo de São Jorge, junto à porta e à torre de São Lourenço. Legado, por vontade dos fundadores, ao ramo feminino da Ordem dos Pregadores, destinava-se inicialmente a uma comunidade de apenas 13 religiosas. A pequena igreja foi edificada segundo o modelo da congénere do convento da Madre de Deus e ter-se-á mantido inalterada na sua estrutura ao longo dos séculos. O convento, pelo contrário, foi alvo de sucessivas campanhas de obras, quer de reconstrução das áreas existentes ou de ampliação, dado o aumento exponencial da comunidade até ao século XVIII. À época do Terramoto de 1755, que o arruinou, o convento compreendia dois claustros, em torno dos quais se distribuíam as diferentes áreas e dependências. Em 1766, as dominicanas viram-se obrigadas a abandonar o cenóbio da Rosa e a juntarem-se às religiosas da Anunciada que já estavam no convento de Santa Joana, mantendo a cerca em sua posse até ao século XIX. No final de Oitocentos, loteou-se a cerca e iniciou-se o processo de urbanização, com a construção de uma casa e da Vila do Castelo. Do edifício restam alguns elementos arquitectónicos, integrados na residência do Largo da Rosa, nºs 5-7.

Caracterização geral
Ordem religiosa
Ordem dos Pregadores

Género
Feminino

Fundador
D. Joana de Ataíde - Encomenda
Luís de Brito Nogueira - Encomenda

Data de fundação
1517-06-25

Data de construção
1519

Data de demolição
1824

Autoria
Pero de Bruges - Pedreiro
Rodrigo Afonso - Pedreiro

Tipologia arquitetónica
Arquitetura religiosa\Monástico-conventual

Caracterização actual
Situação
Convento - Vestígios
Igreja - Demolido(a)
Cerca - Parcialmente urbanizada

Acesso
Privado\Condicionado

Descrição
Enquadramento histórico
A iniciativa de fundação do convento da Rosa deveu-se a D. Joana de Ataíde - filha de João de Sousa, comendador de Ferreira (Ordem de Santiago de Avis) e servidor do infante D. Fernando (pai de D. Manuel I), e de D. Branca de Ataíde (filha de João de Ataíde Senhor de Penacova) - e seu marido Luís de Brito Nogueira, administrador dos morgados de São Lourenço de Lisboa e de Santo Estevão de Beja (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 71; História dos Mosteiros..., II, 1972, pp. 305-306). Por volta de 1515 tiveram início as negociações com a Ordem dos Pregadores para a construção de um cenóbio feminino, junto às casas e quinta do Morgadio de São Lourenço onde os fundadores habitavam e que terão constituído o núcleo primitivo do actual Palácio da Rosa (CARVALHO, 2008, p. 55). A escritura de fundação do convento e o contrato com os pedreiros para a construção foram assinados em 1517 e a fábrica teve início dois anos depois em terrenos adquiridos para o efeito. D. Joana de Ataíde, que maior empenho dedicou e maior fortuna legou à instituição do convento da Rosa, foi a responsável pela definição do programa construtivo da igreja, determinando que esta seguisse o plano da igreja do convento da Madre de Deus que tivera início em 1509. A igreja da Rosa teria a mesma disposição, área e dimensões e o mesmo número de altares daquela patrocinada pela rainha D. Leonor. D. Joana de Ataíde viria a recolher-se no convento, após a morte de Luís de Brito em 1523, o qual foi, mais tarde, tumulado em sepultura rasa em frente da porta da igreja (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 73; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 308; CASTRO, III, 1763, p. 330; CARVALHO, 2002, p. 76, nº 3; CARVALHO, 2008, pp. 55-56). Dada a situação orográfica e características do solo, o convento sofreu com a actividade sísmica que atingiu Lisboa no século XVI, muito em particular com o sismo de 1531, que, poucos anos havidos sobre a fundação do convento, obrigou à sua reconstrução. Fizeram-se, então, obras grandes, ainda que em sítio estreito (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 74), promovidas pela madre D. Guiomar de Castro e que terão durado oito anos, o período do seu priorado (o terceiro na história do cenóbio), prolongado em virtude da empresa construtiva. Neste período, o convento foi aumentado e construíram-se as portarias de fora e de dentro, as casas do locutório, a enfermaria e um dormitório, casas da amassaria, botica e hospício; o claustro pequeno e um novo refeitório (Idem, pp. 73-74; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 310). Ao longo da segunda metade do século XVI e primeira do seguinte, o convento mereceu outras obras e ampliações, em virtude do aumento do número de religiosas. Seguiu-se, assim, a edificação do coro e antecoro de baixo e coro alto na igreja, da casa de lavor (com tribuna sobre o coro) e casa das noviças (CACEGAS e SOUSA, II, pp.74 e 86; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 310). No priorado da madre D. Jerónima Brites dos Reis, foi erguida a casa das noviças e uma cerca para protecção da Costa do Castelo, provavelmente delimitando a propriedade conventual. Esta foi, depois (e em data anterior a 1607), aumentada com a aquisição de uma rua inteira de casas, para alargamento das dependências do convento (claustro novo e poço, portaria da rua sobre a qual se construíram as casas para os confessores e assistência das prioresas), instalação do celeiro, casas de lenha e despejos, atafona e estrabarias. Ferreira de Andrade supõe que esta rua de casas correspondesse à actual área do Largo da Rosa e início da Rua das Farinhas (ANDRADE, 1960, p. 21). A edificação do novo claustro, de dois pisos, foi uma obra complexa, que obrigou ao nivelamento do terreno e acabou por se prolongar pelo exercício de três priorados (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 74; História dos Mosteiros..., II, 1972, pp. 310-311). Segundo o cronista da História dos Mosteiros (Idem, p. 311], após o incêndio de 1670, foi adquirida uma muito nobre morada de casas para construção de novos dormitórios, que ficaram com uma excelente vista sobre a cidade e sobre o porto. Além de obras de raiz, o convento da Rosa foi alvo de intervenções de conservação das estruturas edificadas, como as de reconstrução dos muros do convento, realizadas em 1704 e 1712, após vistoria e autorização do Senado da Câmara de Lisboa (AML, Livro de Cordeamentos, 1700-1704, f. 656-657v.; Livro de Cordeamentos, 1710-1719, f. 250-251; Livro de Cordeamentos, 1712, f. 18-19v.). Em 1755, o convento ficou bastante danificado com o terramoto. Uma memória de Lisboa pós-Terramoto descreve a situação do convento da Rosa: Caiu todo o tecto da Igreja e ficaram as paredes da torre e do coro e de alguns dormitórios com as suas ruínas caíram os muros do Convento (Lisboa em 1758, 1974, p. 321). Inicialmente, ainda houve esforços no sentido de reedificar a igreja e o convento (Idem, p. 147; CASTRO, III, 1763, p. 331), mas tal projecto terá sido abandonado em virtude da extinção física do convento em 1766 e transferência da comunidade de religiosas para o convento de Santa Joana. A cerca e as rendas mantiveram-se na sua posse até ao século XIX.

Evolução urbana
O convento da Rosa erguia-se na Costa do Castelo, em terreno de declive muito acentuado, como testemunham as vistas panorâmicas de Lisboa (ver fontes iconográficas). Ficava próximo da porta e da torre de São Lourenço e da igreja duocentista do mesmo nome. Inicialmente destinado a uma comunidade pequena de apenas treze religiosas, o convento e respectiva cerca ocupavam uma área reduzida, que foi sucessivamente ampliada ao longo dos séculos XVI e XVII. A cerca terá mantido sensivelmente os mesmos limites entre 1650 e 1856, conforme por ser observado pela comparação das plantas de Lisboa levantadas por João Nunes Tinoco (1650) e por Filipe Folque (1856), embora haja ainda notícias de uma aquisição de casas pelo convento após 1670 e da doação de um olival por D. João V (História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 311; CARVALHO, 2008, p. 61). Após os danos provocados no edificado pelo Terramoto de 1755 e a transferência da comunidade para o convento de Santa Joana, o convento da Rosa foi definitivamente abandonado em 1766. Todavia, o terreno permaneceu foreiro às proprietárias (conforme indica a lápide ainda no local Foreiro ao Real Convento de Santa Joana Ano 1 de Janeiro 1824) e comummente conhecido como horta e cerca das freiras até ao primeiro quartel do século XIX, altura em que se procedeu à demolição da maioria das construções (ANDRADE, 1960, p. 24; GONÇALVES, 1973, p. 96; GONÇALVES, 1994, p. 783). No final de Oitocentos, procedeu-se à venda dos lotes e licenciamento de novos empreendimentos no local. Entre estes, destaca-se a construção da Vila do Castelo e de uma residência unifamiliar (Largo da Rosa, nºs 5 e 7), esta última aproveitando ainda algumas estruturas do antigo convento que haviam sobrevivido (CARVALHO, 2008, p. 65). Arruinado pelo Terramoto, a memória do antigo cenóbio dominicano, que existiu neste local entre os séculos XVI e XVIII, sobrevive na toponímia que tomou nome do convento - Largo da Rosa e Calçada da Rosa -, bem como pelo nome do palácio erguido à ilharga da igreja de São Lourenço (Palácio da Rosa).

Caracterização arquitectónica
Originalmente, a igreja e o convento da Rosa conformavam um complexo edificado pequeno, dado o número limite de treze religiosas estipulado no momento da sua fundação (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 72; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 306). As dependências conventuais desenvolviam-se em torno de dois claustros. O claustro novo era maior que o primitivo e em ambos distribuíam-se, ao todo, doze capelas. Dos dormitórios tinha-se uma excelente vista sobre a cidade e o porto (História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 315). Alguns elementos estruturais do convento foram aproveitados para a construção da habitação do Largo da Rosa nºs 5 a 7, sendo, em particular, visíveis os sólidos cunhais de cantaria que a limitam. No que diz respeito à igreja, ela erguia-se à direita do convento, ocupando sensivelmente a actual área superior do jardim da casa do Largo da Rosa nº 5 e 7 e parte da Vila do Castelo. Ao contrário da tradição construtiva dos conventos femininos, que determinava que a serventia se fizesse pela fachada lateral, a entrada da igreja do convento da Rosa fazia-se pela fachada do topo, que era rematada por empena triangular. O portal conformava um arco de volta perfeita profusamente decorado, sobre o qual se rasgavam três nichos (PEREIRA, 1927, p. 298; CARVALHO, 2008, p. 58). De planta longitudinal, a igreja considerava a capela-mor e dois altares colaterais, duas capelas na nave e coro. A nave media de largura 7,26 metros (33 palmos) e de comprimento 12,32 metros (56 palmos) e a capela-mor 4,40 x 4,62 metros (20 x 21 palmos). Nave e capela-mor eram cobertas por abóbadas de cruzaria (História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 312; COSTA, 1712, p. 393; CARVALHO, 2002, p. 76, nº 3; CARVALHO, 2008, p. 56). A partir das fontes e dos vestígios conhecidos da antiga construção, sabe-se que o motivo da rosa - evocando o nome do convento - serviu a decoração esculpida de portais e dos fechos das abóbadas. De igual forma, a memória dos seus fundadores foi celebrada através da exposição do brasão de armas do casal sobre o portal da igreja e no fecho central da cobertura abobadada da capela-mor (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 73; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 308; CARVALHO, 2008, p. 60). Ao contrário da área conventual, a disposição e feição da igreja não sofreu grandes alterações ao longo dos séculos, limitando-se as intervenções conhecidas a campanhas de decoração, como aquela realizada no período do Barroco, provavelmente após o incêndio de 1670, que considerou a pintura de brutesco das abóbadas e a construção de altares e tribuna de talha dourada (História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 312). Sobrevivem, decorando o jardim da casa do Largo da Rosa nºs 5 a 7, elementos decorativos do período de fundação do convento da Rosa, designadamente um arco triunfal manuelino (polilobado e ornamentado com rosáceas), arcobotante, segmentos de arco, esfera armilar e vão de porta decorada com cabeças de anjos, mísula da abódada, bocetes mais pequenos, pedra de fecho da abóbada com as armas do casal e fragmentos de uma lápide tumular (CARVALHO, 2008, pp. 58-60).

Cronologia
1517-06-25 Escritura de contrato para a fundação do convento de Nossa Senhora do Rosário, entre Luís de Brito Nogueira e D. Joana de Ataíde e a Ordem dos Pregadores.
1517-06-25 Contrato de obrigação e fiança entre D. Joana de Ataíde e os pedreiros Rodrigo Afonso e Pedro de Bruges, moradores em Lisboa, para a obra de arquitectura da igreja do convento da Rosa. O modelo da igreja era o do convento da Madre de Deus, segundo vontade e determinação da fundadora.
1519 Início da fábrica do convento da Rosa.
1519-08-24 Compromisso de Luís de Brito Nogueira e D. Joana de Ataíde sobre as doações e outras disposições ao convento da Rosa.
1521 Ratificação pelos fundadores do compromisso de fundação do convento de Nossa Senhora do Rosário, assinado anteriormente pelo rei D. Manuel (1519) e pelo Geral da Ordem de São Domingos (1520).
1521-11-27 Entrada das primeiras quatro religiosas vindas dos mosteiros de Jesus de Aveiro e das Donas de Santarém, às quais se juntaram oito noviças e uma viúva.
1531 O sismo ocorrido em Lisboa provocou danos no convento que obrigaram a obras de vulto durante um período de cerca de oito anos, durante o priorado de D. Guiomar de Castro. As freiras da Rosa residiram nesse tempo nos conventos de Nossa Senhora da Anunciada e do Santíssimo Rei Salvador.
1551 Neste ano, o convento albergava já trinta e três freiras e doze servidoras, constituindo um indicador de crescimento da comunidade que foi motivo para o alargamento do convento em campanhas sucessivas até cerca de 1650, envolvendo até a aquisição de casas vizinhas. A renda anual era de 500 cruzados.
1565 Alargamento da cerca conventual, alcançando os muros do Castelo. Este novo "chão" era conhecido por "cerca nova".
1578 | 1580 O cardeal-rei D. Henrique doou ao convento da Rosa um terreno na Costa do Castelo. Tratava-se de um olival que foi acrescentado no reinado de D. João V .
1616-02-18 A Câmara concede uma esmola de 100$000 réis às freiras do Convento da Rosa.
1620 A comunidade era constituída por 120 mulheres, entre religiosas e servidoras.
1670-12-18 Deflagrou na sacristia um grande incêndio, provocando sérios danos na igreja e no convento. Seguem-se novas obras, que envolveram a aquisição de uma nova morada de casas para a instalação dos dormitórios, dos quais se tinha uma larga vista sobre o porto e a cidade.
século XVIII - 1ª metade A comunidade crescera exponencialmente, albergando 238 reclusas, das quais 140 eram professas.
1704-04-02 Petição da prioresa e mais religiosas do convento da Rosa ao Senado da Câmara de Lisboa sobre o estado de ruína do muro da banda da Costa do Castelo, com o qual se fechava a clausura. Pretendiam reedificá-lo desde os alicerces. A obra é autorizada após vistoria e cordeamento.
1712 A igreja é descrita pelo padre António Carvalho da Costa : «Tem boa igreja de uma só nave com a porta para o Sul, toda dourada, com cinco Capelas, a saber, a maior, duas colaterais, e duas no corpo da Igreja (?). Tem bom Coro, ricos ornamentos, e muitas peças de prata, e ouro». Na Corografia Portugueza refere-se ainda que no convento residiam 145 religiosas, além das pupilas e noviças e grande número de criadas
1712-05-20 | 1712-05-21 Petições da madre prioresa e mais religiosas do convento da Rosa para se reedificar o muro arruinado no fundo do dormitório novo junto a São Cristóvão e um outro pedaço de muro acima do Recolhimento de São Cristóvão no sítio das escadas para a Costa do Castelo. As obras são autorizadas após vistoria e cordeamento.
1755-11 O convento da Rosa ficou arruinado com o Terramoto. Os relatos da época relatam ter caído o tecto da igreja e ficado apenas as paredes do coro, a torre e alguns dormitórios. As freiras foram obrigadas a abandonar o convento.
1756 Por determinação do rei D. José I, as comunidades de religiosas dominicanas dos conventos da Rosa e Anunciada foram unidas e incorporadas no convento de Santa Joana.
1758 Apesar da determinação régia, 39 religiosas regressaram ao convento da Rosa.
1761 Decorrem obras de reedificação da igreja e do muro da cerca do lado da Costa do Castelo.
1766 As religiosas que habitavam ainda o edifício foram obrigadas a abandonar definitivamente o convento da Rosa e a juntarem-se às 52 que já residiam no convento de Santa Joana. O edifício e as propriedades mantiveram-se, no entanto, em sua posse e domínio.
século XIX - início As estruturas edificadas encontravam-se em ruínas ou teriam mesmo já sido arrasadas. A área do antigo convento era conhecida, à época, por "horta e cerca das freiras", sendo foreira ao convento de Santa Joana.
1824 Obra de demolição da igreja e aforamento dos terrenos.
1833 O actual Largo da Rosa surge já delimitado, deslocado da área correspondente ao largo frente ao adro da igreja do convento.
1895 Licença solicitada à CML para construção da Vila do Castelo, que veio a ocupar a área correspondente à da igreja ou os terrenos contíguos. Durante a sua construção foi identificado o cemitério conventual, situado no final da actual Vila. Surge parcialmente marcada no Levantamento Topográfico de Lisboa (1904-1911) .
1897 Afonso Xavier Lopes Vieira (pai do poeta homónimo) adquiriu em hasta pública no Tribunal da Boa Hora o edifício subsistente, que corresponde à morada Largo da Rosa, nºs 5 e 7. Este edifício fora sujeito a obras, pelo menos desde 1892.
1913-12-20 Licenciamento de obras solicitado por Afonso Xavier Lopes Vieira para o edifício do Largo da Rosa, nºs 5 e 7, com a finalidade de aumentar a área residencial, construindo um anexo à direita da casa sobre as escadas de acesso ao segundo andar.
1914 Descobrimento de um painel de azulejos nos terrenos do convento.
1927 O poeta Afonso Lopes Vieira herda a casa de seu pai e procede a nova intervenção de remodelação do edifício. Data desta época a colocação da lápide com a divisa do escritor na fachada.
1958 A casa é adquirida por João Cid dos Santos, médico cirurgião, que submete um projecto de alteração ao edifício, da autoria do arquitecto Inácio Peres Fernandes, com o acrescentamento de um terceiro piso (mansarda), entre outras alterações.
1963 Conclusão da obra. Publicam-se as primeiras notícias sobre os achados arqueológicos do Prof. João Cid dos Santos realizados no decorrer da obra. Trata-se de elementos estruturais e decorativos do antigo convento que hoje se encontram a decorar o jardim da casa.

Fontes e Bibliografia
Material gráfico

BRAUNIO, George - Panorâmica de Lisboa. Museu de Lisboa [c. 1598].

Domingos Vieira Serrão - Nossa Senhora de Porto Seguro roga a seu precisos filho por esta cidade e sua navegação. Igreja de São Luís dos Franceses [c. 1620].

STOOP, Dirck - Panorâmica de Lisboa durante o embarque de D. Catarina de Bragança para Inglaterra. Museu de Lisboa [1662]. 1, MC.GRA.0883.

Vista panorâmica de Lisboa, cópia do do original da Biblioteca da Universidade de Leiden, Holanda, 1570. Museu de Lisboa.

Cartografia

CARVALHO, José Monteiro de; - [Livro das plantas das freguesias de Lisboa]. Códices e documentos de proveniência desconhecida, nº 153, Planta da freguezia de S. Lourenco, f. 61 (imagem 0136).

FOLQUE, Filipe; - [Carta Topográfica de Lisboa e seus arredores, 1856/1858]. 1:1000. 65 plantas; 92 X 62,5cm, Planta 36 (Agosto 1858).

PINTO, Júlio António Vieira da Silva; - [Levantamento da planta de Lisboa, 1904/1911]. 1: 1000. 249 plantas; 80 X 50cm, Planta 11G (Junho 1910).

[Planta de Lisboa, cópia de 1850 do levantamento de João Nunes Tinoco (1650)]. MC.DES.1084.

POPPE, Elias Sebastião; - [Configuração de partes das fortificações antigas da cidade de Lisboa [...]]. MC.DES.0010.

Manuscrito

Dos Conventos, e Mosteiros de Lisboa 1757, com a notícia verdadeira da ruína que padeceram em o fatal Terramoto, e Incêndio no 1.º de Novembro de 1755. [Manuscrito]Biblioteca Pública de Évora, f. 241.

Inventário de extinção do Convento de Santa Joana de Lisboa. [Manuscrito]Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Ministério das Finanças, Convento de Santa Joana de Lisboa, Cx. 1975 a 1979, Cx. 1975, capilha 1; Cx. 1976, doc. 109; Cx 1979, capilha 18 (doc. sem nº - "Esclarecimentos a respeito da fundação da Igeeja e Convento de santa Joana, na rua de Santa Marta, em Lisboa".

Livro de Cordeamentos de 1700-1704. [Manuscrito]Arquivo Municipal de Lisboa, f. 656-657v.

Livro de Cordeamentos de 1710-1719. [Manuscrito]Arquivo Municipal de Lisboa, f. 250-251.

Livro de Cordeamentos de 1712. [Manuscrito]Arquivo Municipal de Lisboa, f. 18-19v.

Monografia

ANDRADE, Ferreira de - Para a história do convento da Rosa - não data de 1824 o prédio onde viveu o poeta Afonso Lopes Vieira. GEO: Bibliografia olisiponsense: recortes de jornais, vol. 6. pp. 30-31.

ARAÚJO, Norberto de - Peregrinações em Lisboa, livro III. 2ª Edição. Lisboa: Vega, 1992, pp. 63-64.

BRANDÃO, João - Grandeza e Abastança de Lisboa em 1552. Lisboa: Livros Horizonte, 1990, p. 116.

BRITO, Gomes de - Lisboa do Passado. Lisboa de nossos dias. Lisboa: Livraria Ferin, 1911, p. 116.

CACEGAS, Fr. Luís; SOUSA, Fr. Luís - Terceira parte da História de S. Domingos, particular do Reino, e conquistas de Portugal, Vol. III. Lisboa: Oficina de Antonio Rodrigues Galhardo, 1767, pp. 71-92.

CARVALHO, Maria João Vilhena de - Imagens milagrosas e obra dourada: a escultura e a talha. Igreja da Madre de Deus: história, conservação e restauro. Lisboa: Instituto Português dos Museus, 2002, pp. 63-81.

CARVALHO, Rosário Salema de - O convento dominicano de Nossa Senhora do Rosário. Monjas dominicanas. Presença, arte e património em Lisboa. Lisboa: Alêtheia Editores, 2008, pp. 53-70.

CASTRO, João Bautista de - Mappa de Portugal Antigo e Moderno, Tomo Terceiro, Parte V. Lisboa: Oficina Patriarcal de Francisco Luis Ameno, 1763, pp. 330-331.

COSTA, Padre António Carvalho da - Corografia Portugueza e Descripçam Topográfica do Famoso Reyno de Portugal [...], Tomo Terceyro. Lisboa: Na Officina Real Deslandesiana, 1712, p. 393.

FERRÃO, Leonor - Lisboa no século XVI. A cidade e o ambiente.. O Livro de Lisboa. Lisboa: Livros Horizonte, 1994, pp. 136-167.

GONÇALVES, António Manuel; SEGURADO, Jorge - O Largo da Rosa e do nobre sítio de São Lourenço. Lisboa: Academia Portuguesa de História, 1984, p. 14.

GONÇALVES, António Manuel - Rosa (Convento de N. S. da). Dicionário da História de Lisboa. Lisboa: Carlos Quintas & Associados, 1994, pp. 782-783.

GONÇALVES, António Manuel - Mosteiro da Rosa. Monumentos e edifícios notáveis do Distrito de Lisboa, Volume 5, Primeiro Tomo. Lisboa: Junta Distrital de Lisboa, 1973, pp. 96.

História dos Mosteiros, Conventos e Casas Religiosas de Lisboa, Tomo II. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, 1972, pp. 305-315.

Lisboa quinhentista. A imagem e a vida da cidade. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, [1983], p. 52.

OLIVEIRA, Cristóvão Rodrigues de - Sumário em que brevemente se contem algumas cousas assim eclesiásticas como seculares que há na cidade de Lisboa. Lisboa: Na Officina de Miguel Rodrigues, 1755, p. 84.

OLIVEIRA, Eduardo Freire de - Elementos para a história do município de Lisboa, 1ª parte, Tomo II. Lisboa: Typographia Universal, 1887, p. 361.

OLIVEIRA, Frei Nicolau de - Livro das Grandezas de Lisboa. Lisboa: Vega, 1991.

PEREIRA, Luís Gonzaga - Monumentos Sacros de Lisboa em 1833. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1927, p. 298.

PORTUGAL, Fernando; MATOS, Alfredo de - Lisboa em 1758: Memórias Paroquiais de Lisboa. Lisboa: Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa, 1974, p. 146, 310 e 321.

SANTANA, Francisco - Lisboa na segunda metade do século XVIII: plantas e descrições das suas freguesias. Lisboa: CML, 1976.

SILVA, Augusto Vieira da - A cerca fernandina de Lisboa, Volume I. Lisboa. 1948.

SOUSA, Bernardo Vasconcelos e, et al - Ordens Religiosas em Portugal: das Origens a Trento. Guia Histórico. 2ª Edição. Lisboa: Livros Horizonte, 2006, p. 401.

SOUSA, Francisco Luís Pereira de - Effeitos do Terremoto de 1755 nas construções de Lisboa. Lisboa: Imprensa Nacional, 1909.

Periódico

ANDRADE, Ferreira de - As antigas portas de S. Lourenço, da Alfofa e de Santo André. Olisipo, Ano XXIII, nº 89. Lisboa: Ramos, Afonso & Moita, Lda. Janeiro de 1960, pp. 11-36.

ARRIAGA, Júlio Mardel de - Fundação do Mosteiro de Nossa Senhora da Rosa da cidade de Lisboa. Revista de Arqueologia, Tomo III. 1936, pp. 259-264.

Valiosos achados arqueológicos foram rrecolhidos pelo Prof. Cid dos Santos na sua casa da Costa do Castelo onde viveu Afonso Lopes Vieira. Diário Popular. Lisboa 23 de Outubro de 1963, pp. 7-8.

Material Fotográfico
Convento de Nossa Senhora do Rosário | Panorâmica de Lisboa.

Inventariantes
Cátia Teles e Marques - 2014-05-07

Imagens: 1