Da cidade sacra à cidade laica. A extinção das ordens religiosas e as dinâmicas de transformação urbana na Lisboa do século XIX

(1/1)
Designação
Convento de Nossa Senhora do Rosário

Código
LxConv107

Outras designações
Convento de Nossa Senhora da Rosa; Convento do Rosário; Convento da Rosa; Mosteiro de Santa Maria da Rosa

Morada actual
Largo da Rosa, 6-7 Calçada da Rosa, Escadinhas Costa do Castelo, Rua da Costa do Castelo Rua das Farinhas

Sumário
O Convento da Rosa, fundado por D. Joana de Sousa e Luís de Brito Nogueira, começou a ser construído em 1519 na encosta poente do castelo de São Jorge, junto à porta e à torre de São Lourenço. Legado, por vontade dos fundadores, ao ramo feminino da Ordem dos Pregadores, destinava-se inicialmente a uma comunidade de apenas 13 religiosas. A pequena igreja foi edificada segundo o modelo da congénere do convento da Madre de Deus e ter-se-á mantido inalterada na sua estrutura ao longo dos séculos. O convento, pelo contrário, foi alvo de sucessivas campanhas de obras, quer de reconstrução das áreas existentes ou de ampliação, dado o aumento exponencial da comunidade até ao século XVIII. À época do Terramoto de 1755, que o arruinou, o convento compreendia dois claustros, em torno dos quais se distribuíam as diferentes áreas e dependências. Em 1766, as dominicanas viram-se obrigadas a abandonar o cenóbio da Rosa e a juntarem-se às religiosas da Anunciada que já estavam no convento de Santa Joana, mantendo a cerca em sua posse até ao século XIX. No final de Oitocentos, loteou-se a cerca e iniciou-se o processo de urbanização, com a construção de uma casa e da Vila do Castelo. Do edifício restam alguns elementos arquitectónicos, integrados na residência do Largo da Rosa, nºs 5-7.

Caracterização geral


Ordem religiosa
Ordem dos Pregadores

Género
Feminino

Fundador
D. Joana de Ataíde - Encomenda
Luís de Brito Nogueira - Encomenda

Data de fundação
1517-06-25

Data de construção
1519

Data de demolição
1824

Autoria
Pero de Bruges - Pedreiro
Rodrigo Afonso - Pedreiro

Tipologia arquitetónica
Arquitetura religiosa\Monástico-conventual

Caracterização actual


Situação
Convento - Vestígios
Igreja - Demolido(a)
Cerca - Parcialmente urbanizada

Acesso
Privado\Condicionado

Descrição


Enquadramento histórico
A iniciativa de fundação do convento da Rosa deveu-se a D. Joana de Ataíde - filha de João de Sousa, comendador de Ferreira (Ordem de Santiago de Avis) e servidor do infante D. Fernando (pai de D. Manuel I), e de D. Branca de Ataíde (filha de João de Ataíde Senhor de Penacova) - e seu marido Luís de Brito Nogueira, administrador dos morgados de São Lourenço de Lisboa e de Santo Estevão de Beja (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 71; História dos Mosteiros..., II, 1972, pp. 305-306). Por volta de 1515 tiveram início as negociações com a Ordem dos Pregadores para a construção de um cenóbio feminino, junto às casas e quinta do Morgadio de São Lourenço onde os fundadores habitavam e que terão constituído o núcleo primitivo do actual Palácio da Rosa (CARVALHO, 2008, p. 55). A escritura de fundação do convento e o contrato com os pedreiros para a construção foram assinados em 1517 e a fábrica teve início dois anos depois em terrenos adquiridos para o efeito. D. Joana de Ataíde, que maior empenho dedicou e maior fortuna legou à instituição do convento da Rosa, foi a responsável pela definição do programa construtivo da igreja, determinando que esta seguisse o plano da igreja do convento da Madre de Deus que tivera início em 1509. A igreja da Rosa teria a mesma disposição, área e dimensões e o mesmo número de altares daquela patrocinada pela rainha D. Leonor. D. Joana de Ataíde viria a recolher-se no convento, após a morte de Luís de Brito em 1523, o qual foi, mais tarde, tumulado em sepultura rasa em frente da porta da igreja (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 73; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 308; CASTRO, III, 1763, p. 330; CARVALHO, 2002, p. 76, nº 3; CARVALHO, 2008, pp. 55-56). Dada a situação orográfica e características do solo, o convento sofreu com a actividade sísmica que atingiu Lisboa no século XVI, muito em particular com o sismo de 1531, que, poucos anos havidos sobre a fundação do convento, obrigou à sua reconstrução. Fizeram-se, então, obras grandes, ainda que em sítio estreito (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 74), promovidas pela madre D. Guiomar de Castro e que terão durado oito anos, o período do seu priorado (o terceiro na história do cenóbio), prolongado em virtude da empresa construtiva. Neste período, o convento foi aumentado e construíram-se as portarias de fora e de dentro, as casas do locutório, a enfermaria e um dormitório, casas da amassaria, botica e hospício; o claustro pequeno e um novo refeitório (Idem, pp. 73-74; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 310). Ao longo da segunda metade do século XVI e primeira do seguinte, o convento mereceu outras obras e ampliações, em virtude do aumento do número de religiosas. Seguiu-se, assim, a edificação do coro e antecoro de baixo e coro alto na igreja, da casa de lavor (com tribuna sobre o coro) e casa das noviças (CACEGAS e SOUSA, II, pp.74 e 86; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 310). No priorado da madre D. Jerónima Brites dos Reis, foi erguida a casa das noviças e uma cerca para protecção da Costa do Castelo, provavelmente delimitando a propriedade conventual. Esta foi, depois (e em data anterior a 1607), aumentada com a aquisição de uma rua inteira de casas, para alargamento das dependências do convento (claustro novo e poço, portaria da rua sobre a qual se construíram as casas para os confessores e assistência das prioresas), instalação do celeiro, casas de lenha e despejos, atafona e estrabarias. Ferreira de Andrade supõe que esta rua de casas correspondesse à actual área do Largo da Rosa e início da Rua das Farinhas (ANDRADE, 1960, p. 21). A edificação do novo claustro, de dois pisos, foi uma obra complexa, que obrigou ao nivelamento do terreno e acabou por se prolongar pelo exercício de três priorados (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 74; História dos Mosteiros..., II, 1972, pp. 310-311). Segundo o cronista da História dos Mosteiros (Idem, p. 311], após o incêndio de 1670, foi adquirida uma muito nobre morada de casas para construção de novos dormitórios, que ficaram com uma excelente vista sobre a cidade e sobre o porto. Além de obras de raiz, o convento da Rosa foi alvo de intervenções de conservação das estruturas edificadas, como as de reconstrução dos muros do convento, realizadas em 1704 e 1712, após vistoria e autorização do Senado da Câmara de Lisboa (AML, Livro de Cordeamentos, 1700-1704, f. 656-657v.; Livro de Cordeamentos, 1710-1719, f. 250-251; Livro de Cordeamentos, 1712, f. 18-19v.). Em 1755, o convento ficou bastante danificado com o terramoto. Uma memória de Lisboa pós-Terramoto descreve a situação do convento da Rosa: Caiu todo o tecto da Igreja e ficaram as paredes da torre e do coro e de alguns dormitórios com as suas ruínas caíram os muros do Convento (Lisboa em 1758, 1974, p. 321). Inicialmente, ainda houve esforços no sentido de reedificar a igreja e o convento (Idem, p. 147; CASTRO, III, 1763, p. 331), mas tal projecto terá sido abandonado em virtude da extinção física do convento em 1766 e transferência da comunidade de religiosas para o convento de Santa Joana. A cerca e as rendas mantiveram-se na sua posse até ao século XIX.

Evolução urbana
O convento da Rosa erguia-se na Costa do Castelo, em terreno de declive muito acentuado, como testemunham as vistas panorâmicas de Lisboa (ver fontes iconográficas). Ficava próximo da porta e da torre de São Lourenço e da igreja duocentista do mesmo nome. Inicialmente destinado a uma comunidade pequena de apenas treze religiosas, o convento e respectiva cerca ocupavam uma área reduzida, que foi sucessivamente ampliada ao longo dos séculos XVI e XVII. A cerca terá mantido sensivelmente os mesmos limites entre 1650 e 1856, conforme por ser observado pela comparação das plantas de Lisboa levantadas por João Nunes Tinoco (1650) e por Filipe Folque (1856), embora haja ainda notícias de uma aquisição de casas pelo convento após 1670 e da doação de um olival por D. João V (História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 311; CARVALHO, 2008, p. 61). Após os danos provocados no edificado pelo Terramoto de 1755 e a transferência da comunidade para o convento de Santa Joana, o convento da Rosa foi definitivamente abandonado em 1766. Todavia, o terreno permaneceu foreiro às proprietárias (conforme indica a lápide ainda no local Foreiro ao Real Convento de Santa Joana Ano 1 de Janeiro 1824) e comummente conhecido como horta e cerca das freiras até ao primeiro quartel do século XIX, altura em que se procedeu à demolição da maioria das construções (ANDRADE, 1960, p. 24; GONÇALVES, 1973, p. 96; GONÇALVES, 1994, p. 783). No final de Oitocentos, procedeu-se à venda dos lotes e licenciamento de novos empreendimentos no local. Entre estes, destaca-se a construção da Vila do Castelo e de uma residência unifamiliar (Largo da Rosa, nºs 5 e 7), esta última aproveitando ainda algumas estruturas do antigo convento que haviam sobrevivido (CARVALHO, 2008, p. 65). Arruinado pelo Terramoto, a memória do antigo cenóbio dominicano, que existiu neste local entre os séculos XVI e XVIII, sobrevive na toponímia que tomou nome do convento - Largo da Rosa e Calçada da Rosa -, bem como pelo nome do palácio erguido à ilharga da igreja de São Lourenço (Palácio da Rosa).

Caracterização arquitectónica
Originalmente, a igreja e o convento da Rosa conformavam um complexo edificado pequeno, dado o número limite de treze religiosas estipulado no momento da sua fundação (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 72; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 306). As dependências conventuais desenvolviam-se em torno de dois claustros. O claustro novo era maior que o primitivo e em ambos distribuíam-se, ao todo, doze capelas. Dos dormitórios tinha-se uma excelente vista sobre a cidade e o porto (História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 315). Alguns elementos estruturais do convento foram aproveitados para a construção da habitação do Largo da Rosa nºs 5 a 7, sendo, em particular, visíveis os sólidos cunhais de cantaria que a limitam. No que diz respeito à igreja, ela erguia-se à direita do convento, ocupando sensivelmente a actual área superior do jardim da casa do Largo da Rosa nº 5 e 7 e parte da Vila do Castelo. Ao contrário da tradição construtiva dos conventos femininos, que determinava que a serventia se fizesse pela fachada lateral, a entrada da igreja do convento da Rosa fazia-se pela fachada do topo, que era rematada por empena triangular. O portal conformava um arco de volta perfeita profusamente decorado, sobre o qual se rasgavam três nichos (PEREIRA, 1927, p. 298; CARVALHO, 2008, p. 58). De planta longitudinal, a igreja considerava a capela-mor e dois altares colaterais, duas capelas na nave e coro. A nave media de largura 7,26 metros (33 palmos) e de comprimento 12,32 metros (56 palmos) e a capela-mor 4,40 x 4,62 metros (20 x 21 palmos). Nave e capela-mor eram cobertas por abóbadas de cruzaria (História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 312; COSTA, 1712, p. 393; CARVALHO, 2002, p. 76, nº 3; CARVALHO, 2008, p. 56). A partir das fontes e dos vestígios conhecidos da antiga construção, sabe-se que o motivo da rosa - evocando o nome do convento - serviu a decoração esculpida de portais e dos fechos das abóbadas. De igual forma, a memória dos seus fundadores foi celebrada através da exposição do brasão de armas do casal sobre o portal da igreja e no fecho central da cobertura abobadada da capela-mor (CACEGAS e SOUSA, III, 1767, p. 73; História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 308; CARVALHO, 2008, p. 60). Ao contrário da área conventual, a disposição e feição da igreja não sofreu grandes alterações ao longo dos séculos, limitando-se as intervenções conhecidas a campanhas de decoração, como aquela realizada no período do Barroco, provavelmente após o incêndio de 1670, que considerou a pintura de brutesco das abóbadas e a construção de altares e tribuna de talha dourada (História dos Mosteiros..., II, 1972, p. 312). Sobrevivem, decorando o jardim da casa do Largo da Rosa nºs 5 a 7, elementos decorativos do período de fundação do convento da Rosa, designadamente um arco triunfal manuelino (polilobado e ornamentado com rosáceas), arcobotante, segmentos de arco, esfera armilar e vão de porta decorada com cabeças de anjos, mísula da abódada, bocetes mais pequenos, pedra de fecho da abóbada com as armas do casal e fragmentos de uma lápide tumular (CARVALHO, 2008, pp. 58-60).

Cronologia


1517-06-25 Escritura de contrato para a fundação do convento de Nossa Senhora do Rosário, entre Luís de Brito Nogueira e D. Joana de Ataíde e a Ordem dos Pregadores.
1517-06-25 Contrato de obrigação e fiança entre D. Joana de Ataíde e os pedreiros Rodrigo Afonso e Pedro de Bruges, moradores em Lisboa, para a obra de arquitectura da igreja do convento da Rosa. O modelo da igreja era o do convento da Madre de Deus, segundo vontade e determinação da fundadora.
1519 Início da fábrica do convento da Rosa.
1519-08-24 Compromisso de Luís de Brito Nogueira e D. Joana de Ataíde sobre as doações e outras disposições ao convento da Rosa.
1521 Ratificação pelos fundadores do compromisso de fundação do convento de Nossa Senhora do Rosário, assinado anteriormente pelo rei D. Manuel (1519) e pelo Geral da Ordem de São Domingos (1520).
1521-11-27 Entrada das primeiras quatro religiosas vindas dos mosteiros de Jesus de Aveiro e das Donas de Santarém, às quais se juntaram oito noviças e uma viúva.
1531 O sismo ocorrido em Lisboa provocou danos no convento que obrigaram a obras de vulto durante um período de cerca de oito anos, durante o priorado de D. Guiomar de Castro. As freiras da Rosa residiram nesse tempo nos conventos de Nossa Senhora da Anunciada e do Santíssimo Rei Salvador.
1551 Neste ano, o convento albergava já trinta e três freiras e doze servidoras, constituindo um indicador de crescimento da comunidade que foi motivo para o alargamento do convento em campanhas sucessivas até cerca de 1650, envolvendo até a aquisição de casas vizinhas. A renda anual era de 500 cruzados.
1565 Alargamento da cerca conventual, alcançando os muros do Castelo. Este novo "chão" era conhecido por "cerca nova".
1578 | 1580 O cardeal-rei D. Henrique doou ao convento da Rosa um terreno na Costa do Castelo. Tratava-se de um olival que foi acrescentado no reinado de D. João V .
1616-02-18 A Câmara concede uma esmola de 100$000 réis às freiras do Convento da Rosa.
1620 A comunidade era constituída por 120 mulheres, entre religiosas e servidoras.
1670-12-18 Deflagrou na sacristia um grande incêndio, provocando sérios danos na igreja e no convento. Seguem-se novas obras, que envolveram a aquisição de uma nova morada de casas para a instalação dos dormitórios, dos quais se tinha uma larga vista sobre o porto e a cidade.
século XVIII - 1ª metade A comunidade crescera exponencialmente, albergando 238 reclusas, das quais 140 eram professas.
1704-04-02 Petição da prioresa e mais religiosas do convento da Rosa ao Senado da Câmara de Lisboa sobre o estado de ruína do muro da banda da Costa do Castelo, com o qual se fechava a clausura. Pretendiam reedificá-lo desde os alicerces. A obra é autorizada após vistoria e cordeamento.
1712 A igreja é descrita pelo padre António Carvalho da Costa : «Tem boa igreja de uma só nave com a porta para o Sul, toda dourada, com cinco Capelas, a saber, a maior, duas colaterais, e duas no corpo da Igreja (?). Tem bom Coro, ricos ornamentos, e muitas peças de prata, e ouro». Na Corografia Portugueza refere-se ainda que no convento residiam 145 religiosas, além das pupilas e noviças e grande número de criadas
1712-05-20 | 1712-05-21 Petições da madre prioresa e mais religiosas do convento da Rosa para se reedificar o muro arruinado no fundo do dormitório novo junto a São Cristóvão e um outro pedaço de muro acima do Recolhimento de São Cristóvão no sítio das escadas para a Costa do Castelo. As obras são autorizadas após vistoria e cordeamento.
1755-11 O convento da Rosa ficou arruinado com o Terramoto. Os relatos da época relatam ter caído o tecto da igreja e ficado apenas as paredes do coro, a torre e alguns dormitórios. As freiras foram obrigadas a abandonar o convento.
1756 Por determinação do rei D. José I, as comunidades de religiosas dominicanas dos conventos da Rosa e Anunciada foram unidas e incorporadas no convento de Santa Joana.
1758 Apesar da determinação régia, 39 religiosas regressaram ao convento da Rosa.
1761 Decorrem obras de reedificação da igreja e do muro da cerca do lado da Costa do Castelo.
1766 As religiosas que habitavam ainda o edifício foram obrigadas a abandonar definitivamente o convento da Rosa e a juntarem-se às 52 que já residiam no convento de Santa Joana. O edifício e as propriedades mantiveram-se, no entanto, em sua posse e domínio.
século XIX - início As estruturas edificadas encontravam-se em ruínas ou teriam mesmo já sido arrasadas. A área do antigo convento era conhecida, à época, por "horta e cerca das freiras", sendo foreira ao convento de Santa Joana.
1824 Obra de demolição da igreja e aforamento dos terrenos.
1833 O actual Largo da Rosa surge já delimitado, deslocado da área correspondente ao largo frente ao adro da igreja do convento.
1895 Licença solicitada à CML para construção da Vila do Castelo, que veio a ocupar a área correspondente à da igreja ou os terrenos contíguos. Durante a sua construção foi identificado o cemitério conventual, situado no final da actual Vila. Surge parcialmente marcada no Levantamento Topográfico de Lisboa (1904-1911) .
1897 Afonso Xavier Lopes Vieira (pai do poeta homónimo) adquiriu em hasta pública no Tribunal da Boa Hora o edifício subsistente, que corresponde à morada Largo da Rosa, nºs 5 e 7. Este edifício fora sujeito a obras, pelo menos desde 1892.
1913-12-20 Licenciamento de obras solicitado por Afonso Xavier Lopes Vieira para o edifício do Largo da Rosa, nºs 5 e 7, com a finalidade de aumentar a área residencial, construindo um anexo à direita da casa sobre as escadas de acesso ao segundo andar.
1914 Descobrimento de um painel de azulejos nos terrenos do convento.
1927 O poeta Afonso Lopes Vieira herda a casa de seu pai e procede a nova intervenção de remodelação do edifício. Data desta época a colocação da lápide com a divisa do escritor na fachada.
1958 A casa é adquirida por João Cid dos Santos, médico cirurgião, que submete um projecto de alteração ao edifício, da autoria do arquitecto Inácio Peres Fernandes, com o acrescentamento de um terceiro piso (mansarda), entre outras alterações.
1963 Conclusão da obra. Publicam-se as primeiras notícias sobre os achados arqueológicos do Prof. João Cid dos Santos realizados no decorrer da obra. Trata-se de elementos estruturais e decorativos do antigo convento que hoje se encontram a decorar o jardim da casa.

Fontes e Bibliografia


Material gráfico

BRAUNIO, George - Panorâmica de Lisboa. Museu de Lisboa [c. 1598].

Domingos Vieira Serrão - Nossa Senhora de Porto Seguro roga a seu precisos filho por esta cidade e sua navegação. Igreja de São Luís dos Franceses [c. 1620].

STOOP, Dirck - Panorâmica de Lisboa durante o embarque de D. Catarina de Bragança para Inglaterra. Museu de Lisboa [1662]. 1, MC.GRA.0883.

Vista panorâmica de Lisboa, cópia do do original da Biblioteca da Universidade de Leiden, Holanda, 1570. Museu de Lisboa.

Cartografia

CARVALHO, José Monteiro de; - [Livro das plantas das freguesias de Lisboa]. Códices e documentos de proveniência desconhecida, nº 153, Planta da freguezia de S. Lourenco, f. 61 (imagem 0136).

FOLQUE, Filipe; - [Carta Topográfica de Lisboa e seus arredores, 1856/1858]. 1:1000. 65 plantas; 92 X 62,5cm, Planta 36 (Agosto 1858).

PINTO, Júlio António Vieira da Silva; - [Levantamento da planta de Lisboa, 1904/1911]. 1: 1000. 249 plantas; 80 X 50cm, Planta 11G (Junho 1910).

[Planta de Lisboa, cópia de 1850 do levantamento de João Nunes Tinoco (1650)]. MC.DES.1084.

POPPE, Elias Sebastião; - [Configuração de partes das fortificações antigas da cidade de Lisboa [...]]. MC.DES.0010.

Manuscrito

Dos Conventos, e Mosteiros de Lisboa 1757, com a notícia verdadeira da ruína que padeceram em o fatal Terramoto, e Incêndio no 1.º de Novembro de 1755. [Manuscrito]Biblioteca Pública de Évora, f. 241.


Livro de Cordeamentos de 1700-1704. [Manuscrito]Arquivo Municipal de Lisboa, f. 656-657v.

Livro de Cordeamentos de 1710-1719. [Manuscrito]Arquivo Municipal de Lisboa, f. 250-251.

Inventário de extinção do Convento de Santa Joana de Lisboa. [Manuscrito]Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Ministério das Finanças, Convento de Santa Joana de Lisboa, Cx. 1975 a 1979, Cx. 1975, capilha 1; Cx. 1976, doc. 109; Cx 1979, capilha 18 (doc. sem nº - "Esclarecimentos a respeito da fundação da Igeeja e Convento de santa Joana, na rua de Santa Marta, em Lisboa".
Livro de Cordeamentos de 1712. [Manuscrito]Arquivo Municipal de Lisboa, f. 18-19v.

Monografia

ANDRADE, Ferreira de - Para a história do convento da Rosa - não data de 1824 o prédio onde viveu o poeta Afonso Lopes Vieira. GEO: Bibliografia olisiponsense: recortes de jornais,. volume 6. pp. 30-31.

ARAÚJO, Norberto de - Peregrinações em Lisboa. 2ª Edição. Lisboa: Vega, livro III, 1992, pp. 63-64.

BRANDÃO, João - Grandeza e Abastança de Lisboa em 1552. Lisboa: Livros Horizonte, 1990, p. 116.

BRITO, Gomes de - Lisboa do Passado. Lisboa de nossos dias. Lisboa: Livraria Ferin, 1911, p. 116.

CACEGAS, Fr. Luís; SOUSA, Fr. Luís - Terceira parte da História de S. Domingos, particular do Reino, e conquistas de Portugal. Lisboa: Oficina de Antonio Rodrigues Galhardo, volume III, 1767, pp. 71-92.

CARVALHO, Maria João Vilhena de - Imagens milagrosas e obra dourada: a escultura e a talha. Igreja da Madre de Deus: história, conservação e restauro. Lisboa: Instituto Português dos Museus, 2002, pp. 63-81.

CARVALHO, Rosário Salema de - O convento dominicano de Nossa Senhora do Rosário. Monjas dominicanas. Presença, arte e património em Lisboa. Lisboa: Alêtheia Editores, 2008, pp. 53-70.

CASTRO, João Bautista de - Mappa de Portugal Antigo e Moderno. Lisboa: Oficina Patriarcal de Francisco Luis Ameno, tomo terceiro, parte V, 1763, pp. 330-331.

CONCEIÇÃO, Fr. Cláudio da - Gabinete Histórico que sua Magestade Fidelissima, o Sr. Rei D. Miguel [...] oferece. Desde Janeiro de 1755 a Dezembro de 1758, Tomo XIII. Lisboa: Impressão Régia, 1829, pp. 69-70.

COSTA, Padre António Carvalho da - Corografia Portugueza e Descripçam Topográfica do Famoso Reyno de Portugal [...]. Lisboa: Na Officina Real Deslandesiana, tomo terceyro, 1712, p. 393.

FERRÃO, Leonor - Lisboa no século XVI. A cidade e o ambiente.. O Livro de Lisboa. Lisboa: Livros Horizonte, 1994, pp. 136-167.

GONÇALVES, António Manuel - Rosa (Convento de N. S. da). Dicionário da História de Lisboa. Lisboa: Carlos Quintas & Associados, 1994, pp. 782-783.

GONÇALVES, António Manuel - Mosteiro da Rosa. Monumentos e edifícios notáveis do Distrito de Lisboa. Lisboa: Junta Distrital de Lisboa. volume 5, primeiro tomo, 1973, pp. 96.

GONÇALVES, António Manuel; SEGURADO, Jorge - O Largo da Rosa e do nobre sítio de São Lourenço. Lisboa: Academia Portuguesa de História, 1984, p. 14.

História dos Mosteiros, Conventos e Casas Religiosas de Lisboa. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, tomo II, 1972, pp. 305-315.

Lisboa quinhentista. A imagem e a vida da cidade. Lisboa: Câmara Municipal de Lisboa, [1983], p. 52.

OLIVEIRA, Cristóvão Rodrigues de - Sumário em que brevemente se contem algumas cousas assim eclesiásticas como seculares que há na cidade de Lisboa. Lisboa: Na Officina de Miguel Rodrigues, 1755, p. 84.

OLIVEIRA, Eduardo Freire de - Elementos para a história do município de Lisboa. Lisboa: Typographia Universal, 1ª parte, tomo II, 1887, p. 361.

OLIVEIRA, Frei Nicolau de - Livro das Grandezas de Lisboa. Lisboa: Vega, 1991.

PEREIRA, Luís Gonzaga - Monumentos Sacros de Lisboa em 1833. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1927, p. 298.

PORTUGAL, Fernando; MATOS, Alfredo de - Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais de Lisboa. Lisboa: Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa, 1974, p. 146, 310 e 321.

SANTANA, Francisco - Lisboa na segunda metade do século XVIII: plantas e descrições das suas freguesias. Lisboa: CML, 1976.

SILVA, Augusto Vieira da - A cerca fernandina de Lisboa. Lisboa. volume I. 1948.

SOUSA, Bernardo Vasconcelos e, et al - Ordens Religiosas em Portugal. Das Origens a Trento. Guia Histórico. 2ª Edição. Lisboa: Livros Horizonte, 2006, p. 401.

SOUSA, Francisco Luís Pereira de - Effeitos do Terremoto de 1755 nas construções de Lisboa. Lisboa: Imprensa Nacional, 1909.

Periódico

ANDRADE, Ferreira de - As antigas portas de S. Lourenço, da Alfofa e de Santo André. Olisipo - Boletim do Grupo Amigos de Lisboa. Lisboa: Ramos, Afonso & Moita, Lda. Ano XXIII, nº 89, janeiro 1960, pp. 11-36.

ARRIAGA, Júlio Mardel de - Fundação do Mosteiro de Nossa Senhora da Rosa da cidade de Lisboa. Revista de Arqueologia. tomo III, 1936, pp. 259-264.

Material Fotográfico


Convento de Nossa Senhora do Rosário | Panorâmica de Lisboa.


Inventariantes


Cátia Teles e Marques - 2014-05-07


© in patrimonium .net
Câmara Municipal de Lisboa
 Data: 2022-10-06