Da cidade sacra à cidade laica. A extinção das ordens religiosas e as dinâmicas de transformação urbana na Lisboa do século XIX

(1/3)
Designação
Hospício de Nossa Senhora dos Anjos

Código
LxConv119

Outras designações
Hospício do Seminário de Brancanes; Seminário de Brancanes; Hospício de Brancanes; Hospício dos Religiosos Missionários do Convento de Brancanes

Morada actual
Travessa dos Fiéis de Deus, 144-146

Sumário
Localizado no Bairro Alto (Travessa dos Fiéis de Deus), o Hospício de Nossa Senhora dos Anjos destinava-se a acolher os religiosos missionários do Convento de Nossa Senhora dos Anjos de Brancanes, em Setúbal (que funcionava como seminário para missionários apostólicos). Foi fundado em 1717 numas casas compradas para o efeito, demolidas em 1725 para se construir um novo edifício para o hospício.

Caracterização geral


Ordem religiosa
Ordem dos Frades Menores. Província da Ordem Terceira Regular

Género
Masculino

Data de fundação
1717

Data de construção
1725

Tipologia arquitetónica
Arquitetura religiosa\Monástico-conventual
Arquitetura civil de habitação\Prédio de rendimento

Componentes da Casa Religiosa - 1834
Hospício
Pátio

Caracterização actual


Situação
Hospício - Existente
Pátio - Existente

Descrição


Enquadramento histórico
Localizado na Travessa dos Fiéis de Deus, 3 (atual 144-146), freguesia de Nossa Senhora das Mercês, ao Bairro Alto, o Hospício de Nossa Senhora dos Anjos destinava-se a acolher na cidade os missionários franciscanos do Convento de Brancanes, próximo de Setúbal. Em 1717 Frei Manoel das Onze Mil Virgens (descrito como Guardião dignissimo dos Convento de Brancanes - Claustro Franciscano, p. 117) conseguio de S. Magestade [...] cinco mil cruzados, que tantos custarão as casas, que desde o mencionado anno servirão de Hospício (Claustro Franciscano..., 1740, pp. 117-118). Em 1725 estes edifícios foram demolidos para em seu lugar se erguer uma nova construção com mais condições para albergar os religiosos, que pouco dano sofre com o Terramoto de 1755. Norberto de Araújo localiza esta casa religiosa junto à Igreja das Mercês, num local onde existiu no comêço do século XVII, um recolhimento de devotas [...] e no qual no fim do século [XIX], estiveram as Mãis de Maria (ARAÚJO, V, p. 60). Em 1835, após a extinção das ordens religiosas, o edifício foi vendido e dividido em frações.

Cronologia


1717 Compra, por cinco mil cruzados, de umas casas na freguesia de Nossa Senhora das Mercês (ao Bairro Alto) para instalação de um hospício para missionários do Convento de Brancanes (Setúbal).
1725 Demolição dos edifícios onde o hospício se encontrava e construção, no mesmo local, de novos aposentos para os religiosos.
1755-11-01 O terramoto provoca pequenos danos no edifício.
1834-05-30 Decretada a extinção de todas as casas religiosas das ordens regulares masculinas e a incorporação dos seus bens nos Próprios da Fazenda Nacional.
1835-08-12 Venda do edifício do hospício por 812$000.

Fontes e Bibliografia


Cartografia

[Enquadramento urbano | Hospício de Nossa Senhora dos Anjos, 1834].

[Enquadramento urbano | Hospício de Nossa Senhora dos Anjos, 2015].

FAVA, Duarte José; - [Carta Topográfica da cidade de Lisboa preparada em 1807]. 3 plantas. 2305-2-16-22.

FOLQUE, Filipe; - [Carta Topográfica de Lisboa e seus arredores, 1856/1858]. 1:1000. 65 plantas; 92 X 62,5cm, Planta 42 (Fevereiro 1846).

PINTO, Júlio António Vieira da Silva; - [Levantamento da planta de Lisboa, 1904/1911]. 1: 1000. 249 plantas; 80 X 50cm, Planta 10F (Maio 1909).

Monografia

ARAÚJO, Norberto de - Peregrinações em Lisboa. 2ª Edição. Lisboa: Vega, livro V, 1992, p. 60.

CASTRO, João Bautista de - Mappa de Portugal Antigo e Moderno. Lisboa: Oficina Patriarcal de Francisco Luis Ameno, tomo terceiro, parte V, 1763, p. 382.

Collecção de Contas da Commissão Interina da Junta do Crédito Público até 10 de Setembro de 1836. Lisboa: Imprensa Nacional, [s.d.].

CONCEYÇÃO, Fr. Apollinario da - Claustro Franciscano, Erecto no Dominio da Coroa Portuguesa e estabelecido sobre dezeseis venerabilissimas columnas. Expoem-se sua origem, e estado presente. Lisboa Occidental: Na Offic. de Antonio Isidoro da Fonseca, 1740, pp. 117-118.

PORTUGAL, Fernando; MATOS, Alfredo de - Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais de Lisboa. Lisboa: Publicações Culturais da Câmara Municipal de Lisboa, 1974, pp. 201 e 309.

Material Fotográfico


Hospício de Nossa Senhora dos Anjos | Exterior | Fachada sul. DPC_20151022_179.
© CML | DMC | DPC | José Vicente 2015

.

Hospício de Nossa Senhora dos Anjos | Exterior | Travessa dos Fiéis de Deus. DPC_20151022_180.
© CML | DMC | DPC | José Vicente 2015

.

Hospício de Nossa Senhora dos Anjos | Carta Topográfica de Lisboa e seus arredores (1856-1858).


Inventariantes


Tiago Borges Lourenço - 2015-08-25
Rita Mégre


© in patrimonium .net
Câmara Municipal de Lisboa
 Data: 2022-09-26